Poesias de Euro Oscar - 9


Índice

  1. Hoje, 31 de Já-Me-Lembro.
  2. Hoje, 31 de Já-Me-Lembro (com acróstico).
  3. O Som Silencioso do Divino.

Hoje, 31 de Já-Me-Lembro

Preparo no meu quarto um cenário,
reparo a sua paisagem pisada e repisada.
Hoje 31 de dezembro, saem os escombros.
Cada morcego troco por um canário;
declaro solenemente e me desmascaro:
tudo que me é mais caro quero e quero.
Ó, a vida traz esses despertares! Curo-me,
e que não mais sobrevenha nenhuma recaída
do hábito ou vício de ser um nômade
na via da minha própria vida.

Encaro os meus tantos e quantos, em plenário.
Comparo a fuselagem, houve vôos fora de rotina.
Hoje! E amanhã? Sem fascínio pela sina cretina!
Que os canários despertem alegres pelo quarto;
janela sempre aberta. Voltem a cada entardecer.
Deparo-me indefesamente com meu ser verdadeiro.
Minutos...badaladas de décadas. Dorme o relógio.
Ó, a vida sopra esses despertares e trai o ilógico.
A cura é o acordar: não mais nômade e imêmore.
Reencontro-me na via. Hoje, 31 de já-me-lembro.

Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar e o site https://www.eurooscar.com.
Se na Internet, incluir o link.


Hoje, 31 de Já-Me-Lembro
(Versão com acróstico)

Edifico no meu quarto um novo cenário,
Uirapuru solene canta: hoje, 31 de dezembro!
Reinem canários e não morcegos mascarados.
O viver sopra esses despertares! Não mais nômade!
Os vôos, em nova fuselagem, céu azul, com sol.
Seja cada pensamento um canário sonhador,
Cante o tempo, cada segundo seja coroado.
A manhã vem, a cura é o acordar. Nova vida!
Reencontro-me. Hoje, 31 de já-me-lembro.

Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar e o site https://www.eurooscar.com.
Se na Internet, incluir o link.


O Som Silencioso do Divino
(Acróstico)

Estás triste, sem amor, como uma rua deserta?
Uiva a boca da noite, mastigando lentamente as horas.
Ribombam, teus pensamentos, num céu outrora claro.
O teu sentir e o teu pensar andam tão apartados,
Oceanos isolam cada corda das outras, no teu violão...
Silencia essa serralheria, põe a mente em sombra fresca!
Chama a Deus, batendo de leve na porta do teu coração.
A flauta oca, que estás, terá o sopro divino a te cantar.
Reconciliam-se as cordas, vibrando um coro de harmonia.

Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar e o site https://www.eurooscar.com.
Se na Internet, incluir o link.


Próxima (10) | Índice | Anterior (8)


Home


Buscar no Site


Buscar na Web