SANTIAGO BOVISIO



REFLEXÃO 19

Qualidade de Vida


a - DEFINIÇÕES;


b - UM TRABALHO PESSOAL;


c - O ATANOR (*1) GLOBALIZADO.

O informe 2001 das Nações Unidas sobre a população mundial prognostica um aumento que quase duplicaria a atual com todas suas conseqüências (entre 7,9 e 10,9 bilhões de pessoas para o ano 2050). Diz: "Encontramo-noss à borda de um precipício. Claramente estamos alcançando os limites de alguns recursos: a água, a energia e os alimentos.

Os problemas são tremendamente severos. Enfrentamo-nos com uma crise de proporções mundiais". (consultar na Internet: www. fnuap.gov). Trataremos de compreender este fenômeno universal à luz das Ensinanças do Mestre Santiago, já que não pode ser controlado.

As tentativas que fizeram as Nações Unidas e as organizações conservadoras fracassaram umas após outras desde há anos, e só resta uma desesperante resignação. A cobiça, o afã de domínio e o poder do dinheiro venceram os defensores da vida; o resultado é a catástrofe já, ante nossos olhos, nas páginas dos jornais, nas imagens da televisão e nas ruas.

As formas como se pode abordar o tema da destruição do meio ambiente e os recursos essenciais da vida são muitas, e as desenvolveremos contando com as disciplinas apresentadas nas Ensinanças.


Devemos considerar que a falta de recursos naturais é só um dos fatores da catástrofe, o que golpeia com mais força. Há outros igualmente terríveis: a degradação da condição humana a níveis de bestas, o analfabetismo, a ameaça atômica crescente, as drogas, a AIDS, a depravação sexual, a violência civil e outras mais.

Não há guias, não há Mestres, não há correntes libertadoras: é o fim da Sub-raça Ário Teutônica que está terminando. Agora vem o tremendo movimento que em Alquimia, segunda etapa, se chama putrefação: a dissolução dos componentes ao estado elementar, depurativo, reciclável. Quanto tempo levará este processo desintegrador? Tanto quanto o que seja necessário para uma regeneração completa.

O trânsito da quarta à quinta Sub-raça demorou a Guerra do 1.500 anos, até acabar com os últimos Magos Negros Atlantes.


Quanto tempo levará esquecer as fórmulas e os procedimentos do sinistro poder atômico, reflorestar os bosques, sanear os rios, regenerar as espécies e formar o novo homem aquariano que saiba viver em harmonia com a natureza? Muitos séculos.

Os sociólogos avaliam a qualidade da vida segundo o interesse do momento, que atualmente é a capacidade econômica de consumir, devorar e gozar. Os países escandinavos estão no topo, embora tenham o maior índice de suicídios.


Se vivessem São Francisco de Assis ou Mahatma Gandhi seguramente fariam quadros comparativos com outros ideais mais elevados; a qualidade de vida seria espiritual e não materialista.

a- DEFINIÇÕES

O Mestre Santiago escreve: "O homem necessita dois pães ao mesmo tempo: um pão material e um pão espiritual".


Comentando a oração de Jesus assinala que "o pão nosso de cada dia, dai-nos hoje", significa que a acumulação desmedida de bens econômicos por uns poucos, em detrimento da maioria que morre de fome, é uma perversidade.


Porém não só faltam os recursos básicos para sustentar a vida; também falta o alimento espiritual em ricos e pobres, honrados e delinqüentes, sãos e enfermos.


Então, onde está a qualidade de vida? No Rei de Arábia que se translada com sete aviões privados B 747 para tomar férias na Espanha com sua família ao custo de 5 milhões de dólares diários? Só muito poucos neste mundo podem fazer o mesmo. Comprar um Van Gogh por 80 milhões de dólares, para que um indivíduo possa olhá-lo sozinho?


Em síntese, se chama qualidade de vida à exclusão dos demais de algo que alguém possui? Esta situação é contrária às mensagens de fraternidade universal que os Mestres de todos os tempos deram à humanidade.


A norma que se utiliza para estabelecer os níveis de qualidade de vida é a competitividade, a comparação de uns grupos com outros, coletivos, regionais e nacionais, estatísticas, para uso burocrático de organizações públicas oficiais, e não para pessoas.


Mas a vida se experimenta individualmente, embora se esteja em família, ou em meio a uma multidão, porque a alma que a sente é uma e intransferível.


A vida é de cada um, junto a milhões de semelhantes que povoam este cansado planeta; tentar considerá-la estatisticamente é falso e mentiroso, porque cada um possui seu estilo particular, incomparável, irredutível; estabelece-o com seus próprios modelos, se os tem visíveis e conscientes, que o guiam. As Ensinanças descrevem a Doutrina da Renúncia, e oferecem as pautas de um caminho qualificado.


Este é um assunto pessoal segundo as condições sociais, econômicas, de saúde, familiares, vocacionais e outros fatores. Sobre esta base, interna e externa, se pode construir o nível melhor, deixando de lado as estatísticas.


Para ampliar o conceito recomendamos a leitura dos Livros XXXI: "O Bom Caminho" e o XXIX: "A Meditação Discursiva", com suas Ensinanças completas. Sua compreensão está ao alcance de todos.


A felicidade é um estado interior, uma transmutação das más condições do ser por outras melhores que brotam da Renúncia; é a busca dos valores superiores. "A uma perda de bens econômicos lhe segue um aumento dos bens espirituais", diz o Mestre Santiago.

b- UM TRABALHO PESSOAL

O conceito sobre qualidade de vida foi elaborado no século passado por técnicos de organismos internacionais com a finalidade de dar uma explicação sobra a desigualdade econômico-social.


Logo foi utilizado politicamente para marcar a superioridade de umas nações sobre outras tomando como base a produção econômica, incluindo os resultados da especulação financeira que nada tem a ver com o tema.


Argumenta-se que a maior renda de uma nação indica superioridade social, política e militar sobre outras mais débeis, embora a sangrenta experiência em Vietnã tenha indicado o contrário. As argumentações hegemônicas e agressivas ainda se seguem utilizando, a pesar do informe 2001 das Nações Unidas que mencionamos acima.


Que podem fazer os indivíduos nesta terrível etapa de putrefação em que se encontra a civilização globalizada, submergindo a todos no mesmo atanor? Já não há lugar onde se refugiar.


O Rei de Arábia faz turismo na Espanha custodiado por centenas de agentes de segurança. O japonês olha seu Van Gogh fechado em seu búnquer de aço. Os argentinos que guardaram seus dólares nos bancos para que não fossem roubados, perderam sua poupança. O Papa está muito doente. Na África, a AIDS e a fome devastam os povos inteiros. Onde está a qualidade de vida?


Isto, em outras palavras, é o que pergunta o meditador ao Mestre Jesus, no Capítulo 13 do Livro XXIX recomendado: "Mestre, tira-me deste torvelinho em que vivo. O ruído do mundo me ensurdece.


Busco continuamente um lugar de paz, um instante de silêncio, e só encontro desordem à minha volta". E a resposta é: "Em tua casa, em teu trabalho, no ruído da cidade e entre a confusão dos homens podes encontrar-Me, se Me buscares".


Cada um constrói sua felicidade com Renúncia, não com dinheiro. Leiam-se as biografias dos santos e mestres que ensinaram à humanidade como alcançar a paz harmoniosa, e ver-se-á que foram pobres que amavam a pobreza, acomodando suas necessidades a essa situação.


O Buda nasceu príncipe, porém renunciou ao reino para encontrar a libertação; fez-se mendigo e pedia alimento na porta das casas, com inefável sorriso e mansidão.


São Francisco era rico em Assis, e entregou sua herança para viver pobre como Jesus; ensinou à humanidade os dons da pobreza. Santa Teresinha pertencia a uma família acomodada, porém se fez carmelita aos quinze anos e transmitiu a maravilhosa doutrina mística da infância espiritual.


Em qualquer lugar se encontra a melhor das vidas caminhando pelo Caminho Espiritual; em Manhattam, em Calcutá, numa favela, no Saara. Deus está em toda parte, junto ao coração do homem que o busca com humildade.

c- O ATANOR (*1) GLOBALIZADO

Retomando o tema inicial desta Reflexão, o informe 2001, a maior conquista da civilização no século XX, a ocupação plena da terra, globalizando-a num todo homogêneo de alcance instantâneo, converteu-se, irreversivelmente, num cárcere do qual ninguém pode escapar.


O que se pensou que era liberdade, realização e bem-estar, converteu-se em opressão. E como no atanor hermético dos alquimistas, os homens terão que transformar-se por sublimação de sua própria matéria.


O homem novo brotará das cinzas do homem velho que está agonizando. Com a palavra atanor, designavam os alquimistas o forno no qual preparavam seu elixir.


Contém o recipiente de vidro em forma de ovo selado, envolto numa capa de cinzas que é esquentado pelo fogo desde baixo. Não há nenhuma alternativa, nenhum escape: a Obra se está realizando no crisol planetário sob o olhar atento do Grande Alquimista, Micaël, o sol que nos ilumina todos os dias.


Assim como a conversão dos metais em ouro é uma analogia real, pode-se compreender o destino humano por meio da transmutação da atual desordem social num modelo superior.


A Tábua Esmeraldina atribuída a Hermes Trismegisto diz: "O de baixo é igual ao de cima, e o de cima é igual ao de baixo, para que se cumpra o milagre da Unidade".


As Ensinanças que explicam a Renúncia se dirigem aos homens individualmente; os exercícios de meditação, as orações, a clarificação da consciência e os conselhos estão dirigidos a pessoas, não a grupos coletivos.


Por isso têm efetividade na medida que cada um os aceite, na forma que queira e com a intensidade que possa. O protagonista ativo e livre é a pessoa e os resultados que obtenha serão variáveis segundo sua aceitação ou rechaço, incluso contando com um bom diretor espiritual que conheça a doutrina.


A mudança de Raças que estamos experimentando também se cumpre segundo a Lei da Renúncia, porém conseqüente, kármica e fatal. Aqui a humanidade não é livre nem tem alternativas; está sujeita ao plano de evolução que vem do fundo dos tempos sob a condução do grande Iniciado Solar. Nos "Comentários" deste site em Internet está reunida a informação que entregou o Mestre Santiago Bovisio sobre o Maitreya e sua missão.


Quais são as possibilidades do homem solitário que quer sobreviver neste planeta global, saturado de calamidades, ardendo ao fogo lento dentro do atanor cósmico, condenado a ser transformado a qualquer preço, ou desaparecer para sempre?


O peregrino deve transitar pelo Caminho da Renúncia desprezando as ilusões do velho mundo que agora são cinzas, refugiando-se e cultivando a vida interior. A melhor qualidade de vida sempre é a que oferece o Redentor. Já disse Jesus ao jovem rico, há mais de 2.000 anos: "Deixa tudo e segue-Me", sem resultado, e agora, torna a repeti-lo.

NOTA DE EURO OSCAR

(*1) - Atanor é o nome de um vaso antigo e também de um fornilho antigo no qual se obtinham ao mesmo tempo diversos graus de calor.

AS OUTRAS PÁGINAS

Próxima (20)   Anterior (18)


Índice geral sobre Santiago Bovisio

FONTE DO TEXTO

http://www.santiagobovisio.org



Sorria ao acordar
e antes de dormir!

Muito obrigado pela visita,
veja sempre as novidades!






Google
 
Web www.eurooscar.com








Se não vê à esquerda o menu
rolante do site, clique aqui.

If you do not see the left
scrolling menu, click here.





Home