Tarô - O Oráculo dos Bons Conselhos: Parte 1

Por Ana Elizabeth Cavalcanti da Costa


Considerado um dos oráculos mais antigos do planeta, o tarô continua sendo uma fonte de sabedoria e uma verdadeira viagem à natureza íntima do ser humano.

É muito comum nos depararmos com situações confusas em que temos de tomar decisões. Em momentos assim, por que não pedir um conselho ao tarô? Seja qual for o seu problema, vale a pena consulta-lo; e você poderá verificar que, além de orienta-lo, ele estará sempre insistindo em seu autoconhecimento, plantando sementes em sua vida.

Uma “nova sabedoria” é a grande necessidade da época em que vivemos. Precisamos de sabedoria para resolver nossos problemas pessoais, para encontrar soluções e respostas criativas para as questões com as quais nos confrontamos diariamente.

O tarô é uma fonte inesgotável de sabedoria. Uma viagem pelas cartas do tarô, considerando um dos mais antigos oráculos do mundo, é uma viagem às nossas profundezas, revelando aspectos do nosso “eu” interior.

A maioria das pessoas que procuram uma consulta de tarô acredita que o futuro pode dar solução para os problemas e conflitos do presente. No entanto, é preciso ter claro que nenhum oráculo do mundo substitui a vida; mas eles podem nos auxiliar, e muito, a perceber e sentir coisas que conscientemente negamos, cabendo a nós a ação.

Se você tem um problema, pode ter certeza de que o tarô vai instigá-lo na tentativa de dissolvê-lo. Às vezes, ele nos fala coisas não muito agradáveis, mas o seu objetivo é sempre nosso crescimento pessoal, com toda a carga de sabedoria contida em seus símbolos. Suas cartas nos mostram as nossas energias pessoais, as que nos cercam num determinado momento, e nos aconselham a melhor forma de trilharmos o nosso caminho.

Quando entramos em contato com o tarô, estudando-o ou fazendo uma consulta, passamos a ter mais conhecimento sobre nós, o que nos facilita compreender os acontecimentos que nos cercam. Passamos a escolher com mais sabedoria e aceitamos com mais facilidade situações nas quais nos sentimos num beco sem saída, sem opção de escolha.

Sabemos que não podemos prever acontecimentos ou atitudes das pessoas que nos cercam, mas podemos modificar a nossa postura pessoal diante do universo exterior e, dessa forma, tudo o que vem de fora acaba se transformando. Vale a pena lembrar que geralmente projetamos nos outros, de forma inconsciente, as nossas próprias expectativas, qualidades e defeitos.

As cartas do tarô não devem ser vistas como uma declaração de um destino inevitável, porque todo ser humano possui livre-arbítrio. Elas demonstram sempre como o seu futuro, uma situação ou uma relação se desenvolvem caso você continuar agindo da mesma forma. (continuação)

 

Fonte

Postado por: Wagner Borges em 4 de Março de 2005 no seu site www.ippb.org.br
(Extraído da revista Sexto Sentido, Ano 5 – Número 53.)


Agradecimento

Wagner Borges concedeu-me muito gentilmente, via e-mail, em 11 de setembro de 2007, permissão específica para aqui aproveitar os interessantes e úteis materiais do seu amplo site do IPPB. Muitíssimo obrigado ao Wagner pela sua generosa e inestimável colaboração. Mais detalhes aqui.

Pesquisar no site:


Home